Interessante

Dez mitos comuns sobre professores

Dez mitos comuns sobre professores

O ensino é uma das profissões mais incompreendidas. Muitas pessoas não entendem a dedicação e o trabalho duro necessários para ser um bom professor. A verdade é que muitas vezes é uma profissão ingrata. Uma parcela significativa dos pais e alunos com quem trabalhamos regularmente não respeita ou aprecia o que estamos tentando fazer por eles. Os professores merecem ser mais respeitados, mas há um estigma associado à profissão que não desaparecerá tão cedo. Os mitos a seguir conduzem esse estigma, tornando esse trabalho ainda mais difícil do que já é.

Mito # 1 - Os professores trabalham das 8:00 às 15:00

O fato de as pessoas acreditarem que os professores só trabalham de segunda a sexta-feira das 8 às 3 é ridículo. A maioria dos professores chega cedo, fica até tarde e costuma passar algumas horas no fim de semana trabalhando nas salas de aula. Durante o ano letivo, eles também sacrificam tempo em casa para atividades como notas e preparativos para o dia seguinte. Eles estão sempre no trabalho.

Um artigo recente publicado pela BBC News na Inglaterra destacou uma pesquisa perguntando a seus professores quantas horas eles gastam no trabalho. Esta pesquisa se compara favoravelmente à quantidade de tempo que os professores nos Estados Unidos passam trabalhando toda semana. A pesquisa avaliou o tempo gasto na sala de aula e o tempo gasto trabalhando em casa. Segundo a pesquisa, os professores trabalhavam entre 55-63 horas por semana, dependendo do nível que ensinam.

Mito 2 - Os professores têm o verão inteiro de folga.

Os contratos de ensino anuais geralmente variam de 175 a 190 dias, dependendo do número de dias de desenvolvimento profissional exigido pelo Estado. Os professores geralmente recebem cerca de 2 meses e meio para as férias de verão. Isso não significa que eles não estão funcionando.

A maioria dos professores participará de pelo menos um workshop de desenvolvimento profissional durante o verão e muitos participarão de mais. Eles utilizam o verão para planejar o próximo ano, ler a literatura educacional mais recente e ler um novo currículo que estarão ensinando quando o Ano Novo começar. A maioria dos professores também começa a aparecer semanas antes do tempo de relatório necessário para começar a se preparar para o novo ano. Eles podem estar longe de seus alunos, mas grande parte do verão é dedicada a melhorar no próximo ano.

Mito 3 - Os professores se queixam com frequência de seus salários.

Os professores se sentem mal pagos porque são. Segundo a Associação Nacional de Educação, o salário médio dos professores em 2012-2013, nos Estados Unidos, foi de US $ 36.141. Segundo a Revista Forbes, os graduados em 2013 que ganham um diploma de bacharel renderiam uma média de US $ 45.000. Professores com todas as faixas de experiência ganham US $ 9.000 a menos por ano, em média, do que aqueles que começam sua carreira em outro campo. Muitos professores foram forçados a encontrar empregos de meio período à noite, nos fins de semana e durante o verão, para complementar sua renda. Muitos estados têm salários iniciais para professores abaixo do nível de pobreza, forçando aqueles que têm bocas a se alimentar para obter assistência do governo para sobreviver.

Mito 4 - Os professores querem eliminar os testes padronizados.

A maioria dos professores não tem problemas com os testes padronizados. Os alunos fazem testes padronizados todos os anos há várias décadas. Os professores utilizaram dados de teste para orientar a sala de aula e as instruções individuais por anos. Os professores gostam de ter os dados e os aplicam em suas salas de aula.

A era dos testes de alto risco mudou muito a percepção dos testes padronizados. Avaliações de professores, formatura do ensino médio e retenção de alunos são apenas algumas das coisas que estão vinculadas a esses testes. Os professores foram forçados a sacrificar a criatividade e a ignorar os momentos de ensino para garantir que cobrissem tudo o que os alunos verão nesses testes. Eles perdem semanas e às vezes meses de aula fazendo atividades de preparação para os testes de compreensão para preparar seus alunos. Os professores não têm medo do teste padronizado, têm medo de como os resultados são usados ​​agora.

Mito 5 - Os professores se opõem às normas comuns do estado central.

Os padrões existem há anos. Eles sempre existirão de alguma forma. Eles são modelos para professores com base no nível da série e no assunto. Os professores valorizam os padrões, porque isso lhes dá um caminho central a seguir ao passar do ponto A ao ponto B.

Os padrões comuns do estado principal não são diferentes. Eles são outro plano para os professores seguirem. Existem algumas mudanças sutis que muitos professores gostariam de fazer, mas elas realmente não são muito diferentes do que a maioria dos estados usa há anos. Então, a que os professores se opõem? Eles se opõem aos testes vinculados ao Common Core. Eles já detestam a ênfase excessiva nos testes padronizados e acreditam que o Common Core aumentará ainda mais essa ênfase.

Mito 6 - Os professores ensinam apenas porque não podem fazer mais nada.

Os professores são algumas das pessoas mais inteligentes que conheço. É frustrante que existam pessoas no mundo que realmente acreditam que ensinar é uma profissão fácil, cheia de pessoas incapazes de fazer qualquer outra coisa. Muitos se tornam professores porque adoram trabalhar com jovens e querem causar impacto. É preciso uma pessoa excepcional e aqueles que a consideram "babá" glorificada ficariam chocados se seguissem um professor por alguns dias. Muitos professores podem seguir outras carreiras com menos estresse e mais dinheiro, mas optam por permanecer na profissão porque querem fazer a diferença.

Mito 7 - Os professores estão procurando meu filho.

A maioria dos professores está lá porque realmente se importa com os alunos. Na maioria das vezes, eles não querem ter um filho. Eles têm um certo conjunto de regras e expectativas que todos os alunos devem seguir. As chances são decentes de que a criança é o problema, se você acha que o professor está disposto a buscá-las. Nenhum professor é perfeito. Pode haver momentos em que desanimamos demais com um aluno. Isso geralmente resulta de frustração quando um aluno se recusa a respeitar as regras da sala de aula. No entanto, isso não significa que queremos buscá-los. Isso significa que nos importamos o suficiente com eles para corrigir o comportamento antes que ele se torne incorrigível.

Mito 8 - Os professores são responsáveis ​​pela educação do meu filho.

Os pais são os melhores professores de qualquer criança. Os professores passam apenas algumas horas por dia ao longo de um ano com uma criança, mas os pais passam a vida toda. Na realidade, é necessária uma parceria entre pais e professores para maximizar o potencial de aprendizado de um aluno. Nem pais nem professores podem fazer isso sozinhos. Os professores querem uma parceria saudável com os pais. Eles entendem o valor que os pais trazem. Eles ficam frustrados com os pais que acreditam ter pouco ou nenhum papel na educação de seus filhos além de fazê-los ir à escola. Os pais devem entender que estão limitando a educação de seus filhos quando não se envolvem.

Mito 9 - Os professores se opõem continuamente à mudança.

A maioria dos professores aceita mudanças quando é para melhor. A educação é um campo em constante mudança. Tendências, tecnologia e novas pesquisas estão evoluindo continuamente e os professores fazem um trabalho decente para acompanhar essas mudanças. Eles lutam contra a política burocrática que os obriga a fazer mais com menos. Nos últimos anos, as turmas aumentaram e o financiamento escolar diminuiu, mas espera-se que os professores produzam melhores resultados do que a qualquer momento. Os professores querem mais do que o status quo, mas querem estar adequadamente equipados para travar suas batalhas com sucesso.

Mito 10 - Os professores não são como pessoas reais.

Os alunos se acostumam a ver seus professores no “modo professor” dia após dia. Às vezes, é difícil pensar nelas como pessoas reais que vivem fora da escola. Os professores são freqüentemente mantidos em um padrão moral mais alto. Esperamos que nos comportemos de uma certa maneira em todos os momentos. No entanto, somos pessoas muito reais. Nós temos famílias. Temos hobbies e interesses. Temos vidas fora da escola. Nós cometemos erros. Nós rimos e contamos piadas. Nós gostamos de fazer as mesmas coisas que todo mundo gosta de fazer. Somos professores, mas também somos pessoas.

Assista o vídeo: 10 Fatos Estranhos Sobre Cleópatra que Seus Professores Nunca lhe Ensinaram (Setembro 2020).