Informações

Introdução ao Discurso em Sociologia

Introdução ao Discurso em Sociologia


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

O discurso refere-se à forma como pensamos e nos comunicamos sobre pessoas, coisas, a organização social da sociedade e os relacionamentos entre os três. O discurso geralmente surge de instituições sociais como mídia e política (entre outras) e, em virtude de dar estrutura e ordem à linguagem e ao pensamento, estrutura e ordena nossas vidas, relacionamentos com os outros e a sociedade. Assim, molda o que somos capazes de pensar e conhecer em qualquer ponto do tempo. Nesse sentido, os sociólogos enquadram o discurso como uma força produtiva, porque molda nossos pensamentos, idéias, crenças, valores, identidades, interações com os outros e nosso comportamento. Ao fazê-lo, produz muito do que ocorre dentro de nós e na sociedade.

Os sociólogos vêem o discurso como incorporado e emergente das relações de poder, porque aqueles que controlam instituições - como mídia, política, direito, medicina e educação - controlam sua formação. Como tal, discurso, poder e conhecimento estão intimamente conectados e trabalham juntos para criar hierarquias. Alguns discursos passam a dominar o mainstream (discursos dominantes) e são considerados verdadeiros, normais e corretos, enquanto outros são marginalizados e estigmatizados e considerados errados, extremos e até perigosos.

Definição estendida

Vamos dar uma olhada nas relações entre instituições e discurso. (O teórico social francês Michel Foucault escreveu prolificamente sobre instituições, poder e discurso. Eu me baseio em suas teorias nesta discussão). As instituições organizam comunidades produtoras de conhecimento e moldam a produção do discurso e do conhecimento, todos os quais são estruturados e estimulados pela ideologia. Se definirmos ideologia simplesmente como a visão de mundo de alguém, que reflete a posição socioeconômica de uma pessoa na sociedade, segue-se que a ideologia influencia a formação de instituições e os tipos de discursos que as instituições criam e distribuem. Se a ideologia é uma cosmovisão, o discurso é como organizamos e expressamos essa cosmovisão no pensamento e na linguagem. Assim, a ideologia molda o discurso e, uma vez infundido em toda a sociedade, por sua vez, influencia a reprodução da ideologia.

Tomemos, por exemplo, a relação entre a grande mídia (uma instituição) e o discurso anti-imigrante que permeia a sociedade americana. As palavras que dominaram o debate presidencial republicano de 2011 organizado pela Fox News. Nas discussões sobre a reforma da imigração, a palavra falada com mais frequência era "ilegal", seguida de "imigrantes", "país", "fronteira", "ilegais" e "cidadãos".

Tomadas em conjunto, essas palavras fazem parte de um discurso que reflete uma ideologia nacionalista (fronteiras, cidadãos) que enquadra os EUA como sendo atacados por uma ameaça criminal estrangeira (imigrantes) (ilegais, ilegais). Nesse discurso anti-imigrante, “ilegais” e “imigrantes” são justapostos contra “cidadãos”, cada um trabalhando para definir o outro através de sua oposição. Essas palavras refletem e reproduzem valores, idéias e crenças muito particulares sobre imigrantes e cidadãos dos EUA - idéias sobre direitos, recursos e pertencimento.

O poder do discurso

O poder do discurso reside em sua capacidade de fornecer legitimidade a certos tipos de conhecimento, enquanto prejudica outros; e, em sua capacidade de criar posições de sujeito e transformar pessoas em objetos que podem ser controlados. Nesse caso, o discurso dominante sobre imigração que sai de instituições como a aplicação da lei e o sistema jurídico recebe legitimidade e superioridade por suas raízes no estado. A mídia convencional geralmente adota o discurso dominante sancionado pelo Estado e o apresenta, dando tempo de antena e espaço de impressão às figuras de autoridade dessas instituições.

O discurso dominante sobre imigração, de natureza anti-imigrante e dotado de autoridade e legitimidade, cria posições de sujeito como “cidadão” - pessoas com direitos que precisam de proteção - e objetos como “ilegais” - coisas que ameaçam cidadãos. Por outro lado, o discurso dos direitos dos imigrantes que emerge de instituições como educação, política e grupos ativistas oferece a categoria de assunto "imigrante sem documentos", em vez do objeto "ilegal", e muitas vezes é considerado desinformado e irresponsável pelo discurso dominante.

Considerando o caso de eventos raciais em Ferguson, MO e Baltimore, MD, realizados de 2014 a 2015, também podemos ver a articulação de Foucault do "conceito" discursivo em jogo. Foucault escreveu que os conceitos "criam uma arquitetura dedutiva" que organiza como entendemos e nos relacionamos com aqueles a ela associados. Conceitos como “saques” e “tumultos” têm sido usados ​​na cobertura da mídia pelo levante que se seguiu aos assassinatos de Michael Brown e Freddie Gray pela polícia. Quando ouvimos palavras como essa, conceitos carregados de significado, deduzimos coisas sobre as pessoas envolvidas - que elas são ilegais, loucas, perigosas e violentas. Eles são objetos criminosos que precisam de controle.

Um discurso de criminalidade, quando usado para discutir manifestantes ou aqueles que lutam para sobreviver após um desastre, como o furacão Katrina em 2004, estrutura crenças sobre certo e errado e, ao fazê-lo, sanciona certos tipos de comportamento. Quando "criminosos" estão "saqueando", atirar neles é enquadrado como justificado. Por outro lado, quando um conceito como "levante" é usado nos contextos de Ferguson ou Baltimore, ou "sobrevivência" no contexto de Nova Orleans, deduzimos coisas muito diferentes sobre os envolvidos e é mais provável que os vejamos como seres humanos, em vez de objetos perigosos.

Como o discurso tem muito significado e implicações profundamente poderosas na sociedade, é frequentemente o local de conflito e luta. Quando as pessoas desejam fazer mudanças sociais, a maneira como falamos sobre as pessoas e seu lugar na sociedade não pode ser deixada de fora do processo.


Video, Sitemap-Video, Sitemap-Videos