Interessante

Quem inventou o Kinetoscope?

Quem inventou o Kinetoscope?

O conceito de imagens em movimento como entretenimento não era novo na parte final do século XIX. Lanternas mágicas e outros dispositivos foram empregados no entretenimento popular por gerações. As lanternas mágicas usavam slides de vidro com imagens projetadas. O uso de alavancas e outros artifícios permitiu que essas imagens "se movessem".

Outro mecanismo chamado Phenakistiscope consistia em um disco com imagens de fases sucessivas de movimento, que podiam ser giradas para simular movimentos.

Zoopraxiscópio de Edison e Eadweard Muybridge

Além disso, havia o Zoopraxiscópio, desenvolvido pelo fotógrafo Eadweard Muybridge em 1879, que projetava uma série de imagens em fases sucessivas de movimento. Essas imagens foram obtidas através do uso de várias câmeras. No entanto, a invenção de uma câmera nos laboratórios Edison, capaz de gravar imagens sucessivas em uma única câmera, foi um avanço mais prático e econômico que influenciou todos os dispositivos subseqüentes de filmes.

Embora haja especulações de que o interesse de Edison em filmes tenha começado antes de 1888, a visita de Muybridge ao laboratório do inventor em West Orange, em fevereiro daquele ano, certamente estimulou a determinação de Edison em inventar uma câmera de cinema. Muybridge propôs que eles colaborassem e combinassem o Zoopraxiscópio com o fonógrafo de Edison. Embora aparentemente intrigado, Edison decidiu não participar dessa parceria, talvez percebendo que o Zoopraxiscópio não era uma maneira muito prática ou eficiente de gravar movimentos.

Advertência de patente para o Kinetoscope

Em uma tentativa de proteger suas futuras invenções, Edison apresentou uma advertência ao escritório de patentes em 17 de outubro de 1888 que descrevia suas idéias para um dispositivo que "faria pelo olho o que o fonógrafo faz pelo ouvido" registra e reproduz objetos em movimento. . Edison chamou a invenção de Kinetoscópio, usando as palavras gregas "kineto", que significam "movimento" e "scopos", que significa "assistir".

Quem fez a invenção?

O assistente de Edison, William Kennedy Laurie Dickson, recebeu a tarefa de inventar o dispositivo em junho de 1889, possivelmente por causa de seu passado como fotógrafo. Charles Brown foi nomeado assistente de Dickson. Houve um debate sobre o quanto o próprio Edison contribuiu para a invenção da câmera cinematográfica. Embora Edison pareça ter concebido a idéia e iniciado os experimentos, Dickson aparentemente realizou a maior parte do experimento, levando os acadêmicos mais modernos a atribuir a Dickson o maior crédito por transformar o conceito em realidade prática.

O laboratório Edison, no entanto, funcionou como uma organização colaborativa. Assistentes de laboratório foram designados para trabalhar em muitos projetos, enquanto Edison supervisionava e participava em graus variados. Por fim, Edison tomou importantes decisões e, como o "Mago de West Orange", recebeu o crédito exclusivo pelos produtos de seu laboratório.

As experiências iniciais no Kinetograph (a câmera usada para criar filmes para o Kinetoscope) foram baseadas na concepção de Edison do cilindro fonográfico. Pequenas imagens fotográficas foram afixadas em seqüência a um cilindro com a idéia de que, quando o cilindro fosse girado, a ilusão de movimento seria reproduzida via luz refletida. Isso acabou provando ser impraticável.

Desenvolvimento de Filme Celulóide

O trabalho de outras pessoas no campo logo levou Edison e sua equipe a seguir uma direção diferente. Na Europa, Edison conheceu o fisiologista francês Étienne-Jules Marey, que usava um rolo contínuo de filme em seu Chronophotographe para produzir uma sequência de imagens estáticas, mas a falta de rolos de filme de comprimento e durabilidade suficientes para uso em um dispositivo de filme atrasava a processo inventivo. Esse dilema foi ajudado quando John Carbutt desenvolveu folhas de filme de celulóide revestidas por emulsão, que começaram a ser usadas nos experimentos de Edison. Mais tarde, a Eastman Company produziu seu próprio filme de celulóide, que Dickson logo comprou em grandes quantidades. Em 1890, Dickson foi acompanhado pelo novo assistente William Heise e os dois começaram a desenvolver uma máquina que expunha uma tira de filme em um mecanismo de alimentação horizontal.

Demonstrado o protótipo de cinetoscópio

Um protótipo para o Kinetoscope foi finalmente mostrado em uma convenção da Federação Nacional de Clubes da Mulher em 20 de maio de 1891. O dispositivo era uma câmera e um visualizador de peep-hole que usava filme de 18 mm de largura. De acordo com David Robinson, que descreve o Kinetoscope em seu livro "From Peep Show to Palace: The Birth of American Film", o filme "passava horizontalmente entre dois carretéis, em velocidade contínua. Um obturador em movimento rápido dava exposições intermitentes quando o aparelho era usado. usado como câmera e vislumbres intermitentes da impressão positiva quando usado como visualizador, quando o espectador olhava pela mesma abertura que abrigava a lente da câmera ".

Patentes para cinetógrafo e cinetoscópio

Uma patente para o Kinetograph (a câmera) e o Kinetoscope (o visualizador) foi registrada em 24 de agosto de 1891. Nesta patente, a largura do filme foi especificada em 35 mm e foi concedida a possibilidade de uso de um cilindro.

Kinetoscope Concluído

O Kinetoscope foi aparentemente concluído em 1892. Robinson também escreve:

Consistia em um armário de madeira na posição vertical, 18 pol. X 27 pol. X 4 pés de altura, com um olho mágico com lentes de aumento na parte superior… Dentro da caixa, o filme, em uma faixa contínua de aproximadamente 50 pés, estava disposto em torno de uma série de carretéis. Uma grande roda dentada acionada eletricamente na parte superior da caixa encaixava nos orifícios correspondentes das rodas dentadas, que eram desenhados sob a lente a uma taxa contínua. Sob o filme havia uma lâmpada elétrica e entre a lâmpada e o filme um obturador giratório com uma fenda estreita. À medida que cada quadro passava sob a lente, o obturador permitia um flash de luz tão breve que o quadro parecia congelado. Essa rápida série de quadros aparentemente imóveis apareceu, graças à persistência do fenômeno da visão, como uma imagem em movimento.

Nesse ponto, o sistema de alimentação horizontal havia sido alterado para um no qual o filme era alimentado verticalmente. O espectador olhava para um buraco na parte superior do gabinete para ver a imagem se mover. A primeira demonstração pública do Kinetoscope foi realizada no Instituto de Artes e Ciências do Brooklyn em 9 de maio de 1893.