Interessante

New York Times Co. v. EUA: Caso da Suprema Corte, Argumentos, Impacto

New York Times Co. v. EUA: Caso da Suprema Corte, Argumentos, Impacto

A New York Times Company v. Estados Unidos (1971) opôs as liberdades da Primeira Emenda contra os interesses de segurança nacional. O caso tratou de saber se o ramo executivo do governo dos Estados Unidos poderia solicitar uma liminar contra a publicação de material classificado. A Suprema Corte concluiu que a restrição prévia carrega uma "forte presunção contra a validade constitucional".

Fatos rápidos: New York Times Co. v. Estados Unidos

  • Caso Argumentado: 26 de junho de 1971
  • Decisão emitida: 30 de junho de 1971
  • Requerente: New York Times Company
  • Reclamado: Eric Griswold, Solicitor Geral para os Estados Unidos
  • Questões-chave: A Administração Nixon violou a liberdade de imprensa sob a Primeira Emenda quando tentou bloquear a publicação dos Documentos do Pentágono?
  • Maioria: Justices Black, Douglas, Brennan, Stewart, Branco, Marshall
  • Dissidência: Justices Burger, Harlan, Blackmun
  • Decisão: O governo não deve ter publicação restrita. Há uma "forte presunção" contra restrições anteriores e a Administração Nixon não conseguiu superar essa presunção.

Fatos do Caso

Em 1º de outubro de 1969, Daniel Ellsberg abriu um cofre em seu escritório na Rand Corporation, um importante empreiteiro militar. Ele pegou uma parte de um estudo de 7.000 páginas e o levou a uma agência de publicidade próxima, acima de uma loja de flores. Foi lá que ele e um amigo, Anthony Russo Jr., copiaram as primeiras páginas do que mais tarde se tornaria conhecido como Documentos do Pentágono.

Ellsberg finalmente fez um total de duas cópias de "História do Processo de Decisão dos EUA sobre a Política do Vietnã", que foi rotulado como "Top Secret - Sensível". Ellsberg vazou a primeira cópia para o repórter do New York Times Neil Sheehan em 1971, depois de um ano de tentar convencer os legisladores a divulgar o estudo.

O estudo provou que o ex-presidente Lyndon B. Johnson havia mentido para o povo americano sobre a gravidade da Guerra do Vietnã. Ele expôs que o governo sabia que a guerra custaria mais vidas e mais dinheiro do que o projetado anteriormente. Na primavera de 1971, os EUA estavam oficialmente envolvidos na Guerra do Vietnã por seis anos. O sentimento antiguerra estava crescendo, embora o governo do presidente Richard Nixon parecesse ansioso por continuar o esforço de guerra.

O New York Times começou a imprimir partes do relatório em 13 de junho de 1971. Os assuntos legais aumentaram rapidamente. O governo buscou uma liminar no Distrito Sul de Nova York. O tribunal negou a liminar, mas emitiu uma ordem de restrição temporária para permitir que o governo se prepare para um apelo. O juiz de circuito Irving R. Kaufman continuou a ordem de restrição temporária enquanto as audiências no Tribunal de Apelações dos EUA prosseguiam.

Em 18 de junho, o Washington Post começou a imprimir partes dos Documentos do Pentágono.

Em 22 de junho de 1971, oito juízes do tribunal ouviram o caso do governo. No dia seguinte, eles declararam que o Tribunal de Apelações dos EUA recusou a liminar. O governo recorreu ao tribunal superior para revisão, entrando com uma petição no Supremo Tribunal dos EUA. Os advogados de ambas as partes compareceram perante a Corte para argumentos orais em 26 de junho, apenas uma semana e meia depois que o governo adotou sua liminar.

Questão Constitucional

A administração de Nixon violou a Primeira Emenda ao tentar impedir que o New York Times e o Washington Post imprimissem trechos de um relatório secreto do governo?

Argumentos

Alexander M. Bickel discutiu o caso para o New York Times. A liberdade de imprensa protege as publicações da censura do governo e, historicamente falando, qualquer forma de restrição prévia foi examinada, argumentou Bickel. O governo violou a Primeira Emenda ao tentar impedir dois jornais de publicar artigos com antecedência.

O procurador-geral dos EUA, Erwin N. Griswold, argumentou o caso pelo governo. A publicação dos jornais causaria danos irreparáveis ​​ao governo, argumentou Griswold. Os documentos, uma vez tornados públicos, poderiam prejudicar as relações do governo com potências estrangeiras ou comprometer os atuais empreendimentos militares. O Tribunal deve conceder uma liminar, permitindo que o governo exerça restrição prévia, a fim de proteger a segurança nacional, disse Griswold ao Tribunal. Griswold observou que os papéis foram classificados como ultra secretos. Se ele tivesse 45 dias, ele ofereceu, o governo Nixon poderia nomear uma força-tarefa conjunta para revisar e desclassificar o estudo. Se for permitido, o governo não procurará mais uma liminar, disse ele.

Per Curiam Opinião

O Supremo Tribunal emitiu uma decisão de três parágrafos por curiam com maioria de seis juízes. O Tribunal decidiu a favor do New York Times e negou qualquer ato de restrição prévia. O governo "carrega um fardo pesado de mostrar justificativa para a imposição de tal restrição", concordou a maioria dos juízes. O governo não conseguiu enfrentar esse fardo, tornando inconstitucional a restrição à publicação. O Tribunal anulou todas as ordens de restrição temporárias emitidas pelos tribunais inferiores.

Isso era tudo em que os juízes podiam concordar. O juiz Hugo Black, em concordância com o juiz Douglas, argumentou que qualquer forma de restrição prévia era contra o que os fundadores pretendiam ao promulgar a Primeira Emenda. Justice Black elogiou o New York Times e o Washington Post pela publicação dos documentos do Pentágono.

Justice Black escreveu:

"Tanto a história quanto o idioma da Primeira Emenda apóiam a visão de que a imprensa deve ser livre para publicar notícias, qualquer que seja a fonte, sem censura, injunções ou restrições prévias".

Pedir uma liminar, escreveu Black, era pedir ao Supremo Tribunal que concordasse que o Poder Executivo e o Congresso violassem a Primeira Emenda no interesse da "segurança nacional". O conceito de "segurança" era muito amplo, O juiz Black opinou, para permitir tal decisão.

O juiz William J. Brennan Jr. criou uma concordância que sugeria que restrições anteriores pudessem ser usadas no interesse da segurança nacional, mas que o governo teria que mostrar conseqüências negativas inevitáveis, diretas e imediatas. O governo não poderia suportar esse fardo em termos dos documentos do Pentágono, ele descobriu.

Dissidência

Os juízes Harry Blackmun, Warren E. Burger e John Marshall Harlan discordaram. Em dissidentes independentes, eles argumentaram que o Tribunal deveria adiar para o poder executivo quando a segurança nacional é questionada. Somente oficiais do governo poderiam saber como as informações podem prejudicar os interesses militares. O caso havia sido apressado, argumentaram os dois juízes, e a Corte não teve tempo suficiente para avaliar completamente as complexidades legais em jogo.

Impacto

O New York Times Co. v. EUA foi uma vitória para jornais e defensores da imprensa livre. A decisão estabeleceu uma alta censura do governo. No entanto, o legado do New York Times Co. vs. EUA permanece incerto. O Tribunal apresentou uma frente fraturada, produzindo uma decisão per curiam que dificulta a ocorrência de restrições anteriores, mas não proíbe totalmente a prática. A ambiguidade da decisão da Suprema Corte como um todo deixa a porta aberta para futuras instâncias de restrição prévia.

Fontes

  • New York Times Co. v. Estados Unidos, 403 U.S. 713 (1971).
  • Martin, Douglas. "Anthony J. Russo, 71 anos, figura do Pentágono, morre."O jornal New York Times, The New York Times, 9 de agosto de 2008, //www.nytimes.com/2008/08/09/us/politics/09russo.html.
  • Chokshi, Niraj. "Atrás da corrida para publicar os documentos ultra secretos do Pentágono".O jornal New York Times, The New York Times, 20 de dezembro de 2017, //www.nytimes.com/2017/12/20/us/pentagon-papers-post.html.